Friday, November 13, 2015

Quais as etapas no processo migratório?




A migração começa no desejo: a procura de uma vida mais tranquila e equilibrada.
Tempo para si e para os seus, longe do desperdício de tempo e recursos na mobilidade urbana.

Após a Inscrição no nosso programa, tem a possibilidade de realizar um auto-diagnóstico para validar as tarefas já cumpridas desse processo.
Com a aceitação da inscrição, inicia-se a Análise de Perfil.
Receberá um link para um inquérito sobre o enquadramento social: percurso de vida, experiências profissionais e ambições familiares.

Segue-se o desenho do Modelo do Negócio: o apoio ao desenho do negócio a instalar em meio rural.
As Competências, a Experiência, o Capital disponível e os Mercados conhecidos, são os fatores determinantes para o negócio a instalar pela família migrante. Para que tudo corra bem!

Ultrapassado este momento, Visita ao Destino: os territórios que reúnem condições e recursos para o negócio a implementar, compatíveis com o perfil familiar.

Com o negócio e o território definidos, é tempo de testar: Teste de Conceito do Negócio
O produto é aceite pelo mercado? E está disponível para o adquirir pelo valor pretendido? Os parceiros apoiaram a implementação do protótipo?
Ajustamentos ao Modelo de Negócio e implementação.
Toca a fazer as malas: Migração!



Wednesday, August 12, 2015

Mondim de Basto adere ao Programa Novos Povoadores

A Câmara Municipal formalizou, recentemente, um protocolo para a implementação do Projeto Novos Povoadores, no concelho de Mondim de Basto.

O programa de repovoamento rural Novos Povoadores vai facilitar a implementação ou transferência de projetos empresariais para os territórios rurais, apoiando a migração dos empreendedores e suas famílias.

É um projeto que pretende contribuir para a revitalização deste território rural através do repovoamento com empreendedores capazes de desenvolver economicamente este território com a instalação de pequenas empresas.

É, por isso, um programa dirigido a pessoas e famílias que pretendem deixar as áreas metropolitanas para viverem no interior rural. O programa de repovoamento rural facilitará a um membro da família a criação de uma empresa no território de destino ou a transferência da sua empresa que possua.

Os candidatos a Novos Povoadores beneficiam, através deste programa, de apoio na definição do projeto empresarial a desenvolver; na identificação de projetos semelhantes e visita aos mesmos e na identificação de parceiros e conselheiros para o negócio definido.

O Presidente da Câmara, Humberto Cerqueira, reconhece que o território do concelho de Mondim tem atrativos que lhe permitem competir com as áreas urbanas e onde a tranquilidade e a vida profissional ativa podem coexistir “encontrar forma de combater a diminuição da população a atrair novos habitantes é o maior desafio destes territórios. É um desafio muito exigente e não há uma receita única para este problema, temos de ser capazes de enfrentar novos caminhos e novas soluções”.
Este projeto tem um custo para autarquia de 22.500,00€ (IVA incluído) e prevê instalar cinco famílias até ao final de 2017.

Tuesday, June 30, 2015

Os quatro pilares para uma instalação empresarial bem sucedida

Frederico Lucas, Coordenador de Comunicação e Empreendedorismo do 
Programa Novos Povoadores, fotografado por António Pedro Ferreira para o
Semanário EXPRESSO
O mundo está cheio de boas vontades e Portugal tem imensas famílias urbanas com vontade de migrar para o campo.
O Programa Novos Povoadores orgulha-se da taxa de sucesso de 93% das famílias monitoradas: entre as 117 que migraram, 107 permanecem instaladas.

A avaliação prévia do perfil profissional das famílias assenta sobre quatro pilares:
- Competências formais no negócio a instalar
- Experiência no sector económico
- Conhecimento prévio do mercado para os seus produtos ou serviços
- Capital necessário para o projecto a desenvolver e para os naturais “acidentes de percurso”

Analisados estes quatro pilares no perfil do candidato e do projeto submetido, os riscos de insucesso diminuem significativamente.
Entre as 1634 famílias inscritas no Programa Novos Povoadores, mais de 600 famílias manifestaram interesse em instalar os negócios da moda: turismos rurais, agricultura biológica ou frutos vermelhos.
Nestas candidaturas, e ao contrário das restantes, raras vezes os candidatos têm qualquer competência ou experiência nesses tipos de negócios que pretendem desenvolver.

A nossa função é apoiar e orientar os candidatos para adequar as suas competências com as actuais oportunidades de mercado.

Wednesday, May 20, 2015

Trabalho no Campo

Há 1634 familias inscritas no Programa Novos Povoadores.
Dessas, 101 familias já migraram com sucesso e 125 foram desaconselhadas a migrar.
Estão 1408 famílias a aguardar por um projecto migratório.

Um dado relevante, mas também curioso, é que uma parte significativa destas famílias pretende instalar um Turismo Rural, e são esses os negócios que têm mais dificuldade em ser instalados como se poderá verificar na nossa página das oportunidades.
Isso acontece porque os interessados em instalar esse tipo de negócios não têm competências, experiência, mercado e capital para esse objectivo.

Tal facto conduz-nos a outro desafio: idealizar negócios que estejam de acordo com o perfil dos candidatos, isto é, que correspondam ao sectores onde têm competências, experiência e mercado. E naturalmente, dimensionados para o capital disponível.

Saturday, January 24, 2015

Certificação ES+


LogoES+ (1).png

O Programa de Repovoamento Rural Novos Povoadores recebeu a Certificação ES+ no âmbito do Mapa de Inovação e Empreendedorismo Social, uma iniciativa liderada pelo Instituto de Empreendedorismo Social e pelo Instituto Padre António Vieira, com a Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação EDP, IAPMEI e INSEAD.

O Júri foi composto por representantes destas entidades e presidido pelo Prof Filipe Santos, responsável pelo recém criado Programa Operacional da Inovação Social.

Trata-se da única certificação em Portugal para as boas práticas de inovação e empreendedorismo social.

A atuação em rede com as congéneres europeias, revela-nos um perfil de famílias que projectam no meio rural o seu futuro: desejam o equilíbrio ambiental, social e económico, e encontram essa resposta na baixa densidade populacional.