Monday, August 5, 2013

O tempo passa a correr!

Parece que foi na passada semana que tudo começou, mas passaram oito anos!

Um jantar entre o Frederico Lucas e Alexandre Ferraz, no Outono de 2005, fez nascer a ideia que ganhou uma marca: Novos Povoadores
Em 2006 ganhámos o contributo da Ana Linhares.

A ideia mantém-se fiel ao longo do tempo: os territórios rurais precisam de gente, que quanto a nós, só será sustentável com novas empresas.

E assim nasceu uma ferramenta que visa captar empresários para o território rural português.

Em 2009 tornámos pública a iniciativa. Em 2011 tivémos o primeiro território aderente.

Migraram entretanto 47 novas familias para o interior rural. Seis dessas famílias desistiram do projecto migratório.

Na região aderente, Baixo Sabor, migraram 5 famílias. Uma desistiu.

Os números são claros e tornam-se agora públicos:

Familias inscritas no Programa: 1417

Projectos empresarias recebidos: 537

Familias atendidas: 293

Famílias aprovadas (candidatas e transferidas): 107

Familias desaconselhadas a migrar: 59

Famílias transferidas: 47

Famílias que desistiram da migração, após transferência: 6

A maioria dos inscritos no programa não tem qualquer ideia sobre o negócio a implementar em território rural, principal eixo de apoio desta iniciativa. Para colmatar esta dificuldade, entendemos preparar um guia de apoio ao migrante. Prevemos disponibilizá-lo no nosso site em Setembro próximo.

Ao longo destes 8 anos, conhecemos um país incrível, habitado por gente empenhada, com iniciativa e com a qual fomos construindo parcerias duradouras. É também com essa rede de parceiros alargada que contamos apoiar a sua oportunidade para uma vida mais equilibrada.

Se está inscrito e não conhece o estado do seu processo, não hesite em contactar-nos: info@novospovoadores.pt e +351 271 82 80 82 (dias úteis entre as 9:00 e as 18:00).

Se não está inscrito, poderá fazê-lo desde já em http://novospovoadores.pt

Friday, July 5, 2013

Bootcamp IES powered by INSEAD

Estão abertas as candidaturas para o VII Bootcamp IES powered by INSEAD que decorrerá entre os dias 13 a 15 de Setembro em Cascais.

Trata-se de uma iniciativa para formar os participantes a desenhar a implementação de projectos de empreendedorismo com elevado impacto social.

O programa Novos Povoadores é parceiro do IES - Instituto de Empreendedorismo Social.

Se está inscrito no nosso programa, verifique por favor a sua caixa de correio. Caso contrário, poderá inscrever-se desde já na respectiva opção.
(saber mais...)

Wednesday, June 26, 2013

Projecto ALDEIA

Projecto ALDEIA - Active Links for the Development of Ecosystem services Innovative Actions

Instituto Superior Técnico, Novos Povoadores, Instituto de Empreendedorismo Social, INTELI, CONFAGRI, Comunidade Intermunicipal Médio Tejo, Comunidade Intermunicipal Dão Lafões, Município de Penela, ADL TAGUS, ADL Dão Lafões e Alto Pina, TagusValley, AIRV, Instituto Pedro Nunes, Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes, Associação de Moradores de Ferraria de São João, Junta de Freguesia de Côta e Fundação EDP.

Juntos para implementar o projecto ALDEIA, que visa rentabilizar os ecossistemas de três aldeias em Portugal.

Três meses loucos de trabalho que encerraram agora com a etapa do "desenho".

Acreditamos que os territórios rurais podem protagonizar uma resposta para os tempos que vivemos.

Uma palavra de gratidão ao "Técnico" pelo desafio que nos lançou, e aos restantes 15 parceiros que fizeram das tripas coração para viabilizar esta nova abordagem ao território rural.

O caminho faz-se caminhando.

Thursday, June 13, 2013

Novos Povoadores na Prova Oral

A questão é frequente: Como funciona o programa Novos Povoadores?
Podemos dizer que são 5 fases, que começa na inscrição e que passa por avaliar o perfil dos empreendedores e na avaliação de oportunidades para esses empresários nos territórios de destino.

Mas existe um jornalísta viciado em perguntas. Chama-se Fernando Alvim e tem um programa de rádio na Antena 3 que se chama 'Prova Oral'!

Escute o programa na íntegra.

Thursday, March 21, 2013

Alfândega da Fé

O programa de repovoamento rural Novos Povoadores está na fase piloto, a apoiar a transferência de famílias e das suas empresas para Alfândega da Fé: uma vila portuguesa pertencente ao Distrito de Bragança, Região Norte e sub-região do Alto Trás-os-Montes.
É sede de um concelho com 321,96 km² de área e 5 104 habitantes (2011).

Em termos económicos, a aposta centra-se na valorização dos seus produtos: cereja, castanha e amêndoa
Assim, são considerados projectos prioritários aqueles que visem a transformação destes frutos.

Na parceria estabelecida com o programa Novos Povoadores, pretende-se instalar empresários e suas famílias neste concelho, disponibilizando boas condições de vida social e económica, características intrínsecas da região da Terra Quente.

História

Actualmente, a Fé de Alfândega está espelhada no rosto de quantos fazem deste concelho um local único para viver e visitar. A Alfândega de hoje é um concelho em desenvolvimento, mas onde o passado espreita em cada canto, esquina ou ruela.

O 1º foral foi-lhe atribuído em 8 de Maio de 1294, por D. Dinis. Documento que, entre outros aspectos, define, os primeiros limites geográficos do concelho.
A 17 de Setembro de 1295, o monarca concede-lhe carta de feira, do mesmo tipo da Covilhã, mas com a particularidade de obrigar que a referida feira se realizasse depois da de Mogadouro e antes da de Mirandela. A carta de feira foi novamente passada por D. João I, a 13 de Janeiro de 1410. Sabe-se que em 1320 D. Dinis mandou reconstruir o castelo, um edifício anterior ao primeiro foral e que provavelmente foi construído pelos mouros. Este castelo acabaria por desaparecer. O recenseamento de 1530 faz referência ao castelo e indica-o como “derrubado e malbaratado”.
O Tombo dos Bens do Concelho (1766) ainda faz alusão aos “antigos muros”. Actualmente a Torre do Relógio, ex-libris da vila, parece ser o que resta do antigo Castelo Medieval.

Em 1385 D. João I obrigou os moradores de Alfândega da Fé a trabalhar na reconstrução dos muros de Torre de Moncorvo, talvez como ”castigo” pelo facto de a vila ter tomado partido por Castela durante a Crise de 1383/1385. Este rei foi também o primeiro a passar por Alfândega da Fé, aquando da sua deslocação a Torre de Moncorvo e Bragança.
Decorria o ano de 1510, quando D. Manuel I concede novo foral a Alfândega da Fé, alterando-lhe os limites geográficos anteriormente estabelecidos, aumentando-lhe a área.

Os dados históricos existentes sobre a localidade e o concelho entre este período e o século XVIII são escassos, sabe-se porem que no século XVI a vila estava despovoada, não possuindo sequer uma centena de fogos, situação que pouco se alterou pelo menos até à primeira metade do século XVIII. Esta situação viria a ser invertida mais tarde, em boa parte pelo incremento da criação do bicho da seda, que no século XIX atingiu as 1,72 toneladas.

A 24 de Outubro de 1855, o concelho foi extinto e as suas freguesias incorporadas em Moncorvo, Vila Flor, Macedo de Cavaleiros e Mogadouro.
Em Janeiro de 1898 foi restaurada como circunscrição administrativa independente.

O concelho mantém hoje os mesmos limites, que vão desde a Serra de Bornes até ao rio Sabor e do planalto de Castro Vicente até ao Vale da Vilariça, num total de 314 km2 distribuídos por uma impressionante e surpreendente diversidade paisagística.