Tuesday, December 18, 2012

Dia Internacional dos Migrantes



Na sua mensagem para assinalar a data, o Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon sublinha que em épocas de maior dificuldades económicas, todos os sectores da economia dependem dos trabalhadores migrantes e empreendedores migrantes para criar emprego.  

A frase é contextualizada para esbater o estigma da migração que é muitas vezes tido como bode expiatório para outros problemas, medos e incertezas relativamente ao emprego, à habitação e à coesão social nas sociedades hospedeiras.

E a moeda tem de facto duas faces, pois "a migração pode também ser apontada como a causa da perda de capital humano e de dependência económica nos países de origem dos migrantes” como afirma o Director-Geral da OIM, William Lacy Swing. 

O projecto Novos Povoadores debate-se igualmente com mitos e percepções erradas acerca deste termo "migração". Por um lado, territórios que viram partir os seus filhos nem sempre compreendem que hajam pessoas que elegem essas terras para aí viverem. Por outro lado, a convicção crescente que só com a transferência de pessoas empreendedoras, será possível inverter o desânimo que atinge fatalmente um Portugal assimétrico.

Por este motivo, continuaremos empenhados nesta militância silenciosa que é promover a migração de projectos profissionais para reencontrar um equilíbrio. Das famílias que procuram maior qualidade de vida. Dos territórios que abracem os Novos Povoadores.

Thursday, December 6, 2012

Governo aprova programa de 256 milhões para combater despovoamento no interior

O Governo aprovou hoje o "Programa Valorizar", que tem como objetivo combater o despovoamento do interior do país, através de incentivos ao investimento e à atividade produtiva, no valor de 256 milhões de euros.


Em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, o secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, Almeida Henriques, disse que este programa resulta da reprogramação dos fundos europeus e de uma linha do Banco Europeu de Investimento (BEI).
Do seu valor total de 256 milhões de euros, 40 milhões de euros são recursos do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e 200 milhões de euros do BEI, havendo ainda 15 milhões de euros de entidades privadas, referiu Almeida Henriques.
Dessas verbas, 38,5 milhões de euros serão aplicados num "sistema de incentivos de apoio local a microempresas" e 200 milhões de euros numa "linha de financiamento para apoio à realização de projetos de base produtiva", que envolve verbas do BEI e um protocolo com a banca, adiantou.
O "Programa Valorizar" prevê ainda um princípio de "mérito regional na seleção dos projetos candidatos aos sistemas de incentivos do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN)", com "discriminação positiva" dos projetos localizados em territórios de baixa densidade populacional.
A criação de "redes nacionais de parcerias territoriais de apoio ao desenvolvimento económico e social de base local" e de um "prémio para o desenvolvimento regional" são outras medidas do "Programa Valorizar".


De acordo com o comunicado com Conselho de Ministros, este programa consiste num "conjunto de políticas de estímulo à atividade económica produtiva de base regional e local, que favoreça o crescimento económico sustentável, a competitividade e o emprego e o investimento empresarial numa lógica de coesão territorial, num horizonte temporal convergente com o novo período de programação dos instrumentos comunitários", de 2014 a 2020.
 Almeida Henriques sustentou que se trata de "uma autêntica mudança de paradigma" no combate ao despovoamento do interior, depois da aposta na criação de infraestruturas.
 "O resultado está à vista. Há, de facto, hoje territórios, concelhos, com boas infraestruturas criadas onde faltam as pessoas. Porquê? Porque não houve capacidade para criar valor nesses mesmos territórios, para fixar as pessoas. Este programa visa exatamente dar resposta a essa questão", afirmou.

Saturday, October 20, 2012

Redesenhar o Futuro (*)



Faltam 10 dias para o fim do mês.

Os trabalhadores suspiram por essa data. Os empresários entram em ansiedade, porque sabem que sem vendas não há cobranças e sem estas não haverá dinheiro para salários.

Todos sentem a crise. Por si, ou por alguém muito perto.
Todos sabem que o jogo entrou em "ciclo vicioso". Os custos aproximam-se a grande velocidade das receitas.

Mas o Ser Humano não veio à terra para se enredar na economia. E ainda menos para ser escravo dela.

Dizem os anciãos que na passagem pela terra, o Homem tem três missões: Plantar uma Árvore; Ter um Filho; Escrever um Livro

Muitos portugueses vivem a experiência da paternidade. Outros tantos alimentam blogues com relatos da sua aprendizagem.
E a árvore?!

O regresso ao campo é a concretização dessa missão: Cuidar de um pedaço de terra. Torná-la fértil.

O mundo pode estar louco. As cidades podem estar loucas. Mas o campo não está louco. E espera pela atenção e cuidado de todos.

Está na hora?

(*) Redesenhar o Futuro é o título das apresentações a cargo do Programa de Repovoamento Rural Novos Povoadores

Monday, September 24, 2012

7 anos de reflexão sobre a "vida rural"!


Amanhã, 25 de Setembro, comemoramos o 7º aniversário do Blogue que esteve na origem da nossa reflexão para o reequilíbrio territorial.
O primeiro texto foi dedicado ao InterCidades da CP. Um activo sobre a mobilidade inter-regional.

Precisamos de recuperar a nossa agricultura. Os economistas conhecem os riscos da dependência alimentar de mercados externos.

Sem a criação de valor nos territórios rurais, a dependência económica sobre o sector público impede a redução de impostos. Uma preocupação comum aos fiscalistas.

Para a melhoria da qualidade de vida, devem existir uma diluição demográfica pelo território. Quer a excessiva concentração metropolitana, quer o isolamento, afectam a harmonia social. Tema de estudo dos sociólogos.

Aos geógrafos, cabe a responsabilidade de compreender o impacto do despovoamento na desertificação. Os fogos florestais são causa e consequência deste processo.

O território rural precisa de gente!

Por isso, este blogue é um espaço multidisciplinar sobre a inclusão dos excluídos. Gentes e territórios. E sobre a necessidade de implementação de novas estratégias: Inovação.

O blogue Inovação & Inclusão está a cumprir a sua missão!

Tuesday, August 7, 2012

"Como prevenir a perda de clientes no processo de relocalização da minha empresa?"

Quando pensamos na transferência da nossa empresa para uma zona rural, sentimo-nos assaltados pelo receio da perda de clientes, mesmo para as empresas que foram criadas após a massificação da internet.
Todos os negócios passam pela confiança entre os seus interlocutores, sendo fundamental o contacto pessoal nessa construção.

Para os empresários, a par do projeto de migração familiar para um contexto mais sustentável, surge a pergunta sacramental: "Como prevenir a perda de clientes no processo de relocalização da minha empresa?"

As tecnologias de comunicação não presencial ajudam nessa tarefa, em particular as redes sociais.
Mas não é tudo.
A participação em eventos relevantes para o mercado em que opera, ganha uma renovada importância.
Marcar presença nesses eventos é fundamental para não perder essa ligação.

Para além disso, essa migração permitirá optimizar custos de funcionamento da empresa, permitindo reduzir os valores de venda sobre os serviços prestados. E esse factor, no actual contexto, permitirá crescer em quota de mercado.

Bons negócios!

Saturday, June 16, 2012

1º Encontro de Espaços de Coworking a 23 de Junho em Alfândega da Fé

Vai realizar-se no próximo dia 23 de Junho em Alfândega da Fé o primeiro encontro de espaços portugueses de coworking.
Neste encontro, pretende-se discutir três temáticas sobre este conceito:

- Vantagens competitivas do CoWorking para os territórios de implantação
- A Importância da actuação em rede
- Como dinamizar os espaços: iniciativas catalisadores para um ambiente criativo

A entrada é livre, mas a inscrição é requerida.


Mais informações sobre o conceito Coworking

Monday, June 11, 2012

Construir o Futuro!

Realizou-se no passado fim de semana a Festa da Cereja em Alfândega da Fé.

É um evento de grande importância para a região, que detém o maior pomar de cerejas da Europa.

Aproveitámos a ocasião para discutir com algumas familias os seus projectos de empreendedorismo para Alfândega.

A Ana voltou a surpreender-nos com os seus produtos: azeites, chutneys e compotas.

A Marta trouxe-nos a sua energia para concretizar iniciativas, suportadas no seu conhecimento em texteis, enquanto o João transbordava em propostas para comunidades mais sustentáveis.

A "outra" Ana, propos a construção de um Parque de Campismo com preocupações ambientais.

Encontrámos em todos os candidatos uma motivação comum: empreendedorismo sustentável

Acreditamos que é possível viver melhor, através de uma gestão consciente dos recursos disponíveis.

Esperamos que todos tenham regressado a suas casas com renovada esperança nos seus projectos. Deste lado, tudo faremos para facilitar a implementação dessas iniciativas.

Thursday, May 10, 2012

Festa da Cereja 2012, Alfândega da Fé

A Festa da Cereja entrou para o calendário das festividades locais há mais de um quarto de século. Tal como o próprio nome indica, é uma festa em homenagem a uma das principais produções agrícolas locais.

A Festa da Cereja terá lugar de 8 a 10 de Junho de 2012, no Recinto da Feira Municipal.

Para os inscritos no nosso programa de repovoamento Novos Povoadores, haverá um programa especial de visita ao concelho.

Inscrições pelo endereço info@novospovoadores.pt

Thursday, April 26, 2012

Os Benefícios da Crise!

Ultrapassado que está o período das vacas gordas - afirmação extemporânea para a maioria dos portugueses - o lado positivo da vida está agora a nascer.

As áreas metropolitanas perderam há muito o seu esplendor. Foram durante décadas o epicentro de talentos de nível nacional onde residiam as oportunidades de participação profissional que gravitavam em redor dos mesmos.

Hoje, a economia do conhecimento traz consigo a democratização territorial. E os territórios rurais, outrora desconectados dessa economia, têm hoje atractivos de relevo para proporcionar o êxodo metropolitano: A qualidade ambiental, social e económica dos territórios rurbanos respondem ao novo estilo de vida dos empreendedores.


A consequência mais interessante do êxodo metropolitano será a polinização de conhecimento protagonizado pelos Novos Povoadores nos territórios de baixa densidade. As redes e a Internet trouxeram consigo a possibilidade de acesso e difusão de informação a nível global, e-learning e trabalho com equipas geograficamente distribuídas (groupware), para citar algumas possibilidades. Facilitarão deste modo a dinamização em seu redor de pequenos alvéolos sociais, com vista a respostas mais actuais à economia que estamos a construir.


O modelo de vida tradicional, onde a população metropolitana adquiria no campo/praia a segunda habitação que lhe permitia respirar, é no actual modelo a sua morada de eleição: Quebraram-se as barreiras geográficas e a falta de competitividade provocada pelos excessivos custos de produção nas áreas metropolitanas - que eram suprimidos por uma procura sucessivamente crescente de uma economia que agora sabemos sobreaquecida - tem hoje uma resposta no território interior conectado.

Por outro lado, os territórios com vontade de atrair Novos Povoadores - gente empreendedora, capaz de gerar dinâmicas de emprego e com vontade de adoptar um estilo de vida mais familiar - são chamados a posicionar-se de uma forma pró-activa, isto é, facilitar a integração dos novos residentes e das suas famílias. Essa tem sido a grande diferença no desenvolvimento dos territórios de baixa densidade. Quando os diversos actores territoriais se mobilizam em torno de um mesmo projecto - Networking Territorial - o sucesso torna-se alcançável. Os Novos Povoadores deixam de o ser, para fazerem parte de uma comunidade que luta para uma maior afirmação territorial, um acto de cidadania activa que os torna actores do desenvolvimento económico e social dessas regiões.

Será esta uma visão utópica?

Segundo um estudo da ONU, em 2015, 69% da população portuguesa viverá nas áreas metropolitanas, acentuado a ausência de qualidade de vida nesses centros populacionais.

Por seu turno, só o Município de Sintra acolhe mensalmente 1000 novas famílias de acordo com os últimos censos do INE.
Estando a sociedade globalizada assente cada vez mais numa economia sem geografia, facto que permite olhar para o território de uma forma mais inclusiva, é possível reduzir o fosso das assimetrias regionais com vantagens para os novos residentes dos territórios de baixa densidade. Assim, além do inegável incremento da qualidade de vida, promover-se-á a quebra de um ciclo de sangria demográfica.

Passar horas a fio no trânsito - que se retiram directamente ao tempo em família - não é uma inevitabilidade para ninguém.

Alexandre Ferraz e Frederico Lucas, co-autores do projecto "Novos Povoadores"

in SOL

Sunday, April 22, 2012

As férias da minha vida!

Todos temos férias que jamais esqueceremos. São momentos especiais, marcados por novas experiências... :-)

Deveria ter 11 anos quando rumei, uma vez mais, com os meus pais para o Algarve.
Na época, para uma criança alfacinha, o verão era marcante: Pelos novos aromas, pelas novas gentes e por um equilíbrio entre a ruralidade e o turismo existente naquela época.

Foi nessa altura que questionei-me sobre “onde queria viver quando crescesse”!
E, naquele instante, fascinei-me pela primeira vez pelo meio rural num processo que me conduziu muito mais tarde a uma ruptura com o ambiente metropolitano.

Hoje, quando observamos o Algarve, não encontramos a mesma harmonia entre o turismo e a ruralidade.
Atrevo-me a dizer que pouco restou da identidade algarvia em boa parte da sua região.

E é esta constatação que me faz lutar por um interior equilibrado. O turismo é importante mas não deve ser sobrevalorizado como o “remédio para todos os males”.
Multiplicar por dez o turismo no interior, coeficiente necessário para o reequilibrio económico nestas regiões, significaria ceder ao fish and chips dos destinos de massas.
E essa não é, por certo, a ambição das gentes de Trás os Montes e Alto Douro.

Mas, e existe sempre um “mas”, os comércios desta região precisam de mais consumidores, as escolas de mais crianças, os centros de saúde de mais utentes. Em suma, este território precisa de mais gente.

Num momento em que 30% dos trabalhadores desenvolvem a sua actividade online - sejam contabilistas, tradutores, gestores de clientes ou ilustradores, para dar alguns exemplos - isso significa que muitas familias metropolitanas podem migrar para onde lhes convier.
É aqui que reside um grande factor de competitividade dos territórios rurais mas conectados à banda larga: Captar essas familias!

E esse é o desafio: Convidar as familias metropolitanas para residir nos nossos territórios menos povoados, com mais qualidade ambiental, social e económica.
Para que isso aconteça, é importante que saibamos receber essas gentes “de braços abertos”!

Crónica de Frederico Lucas para a Revista Tribuna Douro

Monday, April 16, 2012

Sabores transmontanos à sua mesa!

Luís e Patrícia partiram de Braga para Alfândega da Fé, onde têm familia.
Assim concretizaram o objectivo de alterar o ritmo das suas vidas, no momento em que passaram a ser pais.

Com esta migração, abraçaram outro designio: colocar à mesa dos portugueses os produtos tradicionais transmontanos.
Os seus conhecimentos sobre as pequenas indústrias da região permitem-lhes identificar os produtos que o solo transmontado viu nascer, cumprindo a sua identidade.


Com o portal Monte Mel, pretendem aplicar aos negócios ancestrais ferramentas actuais.

Promovem os pequenos produtores transmontanos, preenchendo uma lacuna no mercado, após a estagnação do comércio tradicional. Procuram contrariar a desactivação de pequenas unidades produtivas, que têm vindo a perder facturação nas últimas décadas.

"Em Abril, Alheiras Mil" é o mote da actual campanha de promoção do portal Monte Mel.

Tuesday, January 10, 2012

Associação Leque em Alfândega da Fé



O projecto Novos Povoadores está a apoiar a transferência de famílias para Alfândega da Fé.
Neste território, a Associação Leque desenvolve actividades para pessoas com necessidades especiais (Deficiência/incapacidade).
Mais informações em leque.org